Hora de comer!

Café da manhã, almoço, jantar, lanches… Ninguém vive sem comer. Mas nem todo mundo come os mesmos alimentos. O que faz um alimento ser diferente do outro? Por que se diz que um alimento é mais nutritivo do que outro? O que são carboidratos, proteínas, lipídeos, vitaminas e sais minerais? Por que o nosso corpo precisa de tudo isso?! Apostamos na experimentação para responder a todas essas perguntas e propomos duas oficinas diferentes:

OFICINA 1: Por dentro dos alimentos

Esta oficina é um convite a colocar a mão na massa e descobrir do que são compostos os mais diferentes alimentos. Por meio de experimentos, os participantes podem verificar o teor de carboidratos, lipídeos e proteínas, assim como detectar a presença de algumas vitaminas, em diversos tipos de alimentos. Na sequência, que tal discutir o papel de cada nutriente identificado no funcionamento do nosso organismo? Outras questões também podem surgir, como: qual a diferença entre o refrigerante normal e o “zero”? Quais os tipos de proteínas presentes nesta verdura ou naquele legume? O limão tem mesmo vitamina C? E qual a diferença entre a margarina e a manteiga? As respostas são construídas com a investigação!

OFICINA 2: Você tem fome de quê?

Feijão com arroz ou hambúrguer? Suco natural ou refrigerante? Frutas ou doces? Batata frita ou salada? As escolhas alimentares que fazemos têm impacto na nossa saúde. Sem radicalismos, esta oficina estimula os participantes a refletirem sobre o conteúdo calórico e nutricional dos alimentos, o que os leva a repensar os próprios hábitos alimentares. O caminho para comparar a quantidade de nutrientes presentes nos alimentos e estimular uma vida mais saudável é a experimentação. E são as perguntas dos participantes – do tipo: a batata tem energia? Por que o feijão alimenta por mais tempo? Por que o milho não é digerido? Por que o abacaxi causa aftas ou por que o chocolate causa espinhas? – que conduzem o trabalho.

Veja outros temas.